Home / Destaque / Conheça 5 Medicamentos que Podem Esgotar Nutrientes Essenciais

Conheça 5 Medicamentos que Podem Esgotar Nutrientes Essenciais

medicamentos

Medicamentos prescritos e muitas drogas de venda livre (medicamentos que podem ser comprados sem receita) podem desempenhar um papel importante no gerenciamento dos sintomas e tratamento de condições crônicas de saúde. Porém, eles não estão livres de efeitos colaterais.

Embora a população americana represente apenas 4,3 por cento da população mundial de 7,5 bilhões de pessoas, os americanos consomem 25 por cento das drogas farmacêuticas do mundo. Isso não leva a bons resultados em saúde.

Apesar do alto uso de drogas farmacêuticas, os cidadãos dos Estados Unidos classificam-se em 31º lugar no mundo, com uma expectativa de vida média de 79,3 anos, de acordo com o Wikipedia. O Japão está no topo da lista, com expectativa de vida de 83,7 anos, com as mulheres japonesas vivendo uma média de quase 87 anos. Os chineses têm uma expectativa de vida média de 76,1 anos e se classificam em 53º lugar, enquanto na Rússia espera-se viver 70,5 anos e na 110ª posição.

Minimizar a necessidade das pessoas por drogas prescritas e não-prescritas e escolher uma nutrição melhor e um estilo de vida mais saudável deve ser a meta para todas as pessoas no mundo melhorarem a qualidade de vida.

Vamos revisar cinco drogas de prescrição comuns e aprender sobre vitaminas e minerais que elas roubam do seu corpo. Dependendo da sua condição atual de saúde, estes medicamentos podem ser absolutamente necessários. Porém, mudanças no estilo de vida, modificação da dieta e exercícios de rotina podem melhorar condições médicas crônicas. Se você não puder interromper o uso de medicamentos após fazer alterações no estilo de vida e consultar seu médico, deve tomar cuidado para prevenir um esgotamento de nutrientes que pode vir a ocorrer.

1. Antiácidos
Uma dieta ruim é a razão principal pela qual muitas pessoas desenvolvem sintomas de refluxo de ácido. O refluxo de ácido também é conhecido por muitos como DRGE (doença de refluxo gastroesofágico) ou azia. Ambos referem-se à mesma condição.

A venda de medicamentos antiácidos tornou-se uma indústria de mercado de bilhões de dólares no mundo todo. Em 2013, a prescrição de antiácidos gerou mais de 10 bilhões de dólares em vendas nos EUA.

Há alguns meses, tive uma nova paciente que me procurou para uma consulta. Ela tinha 40 anos de idade e cerca de 50 libras (22 kg) acima do peso. Ela marcou uma consulta para que eu pudesse receitar refis de medicamentos. Ela me disse que precisava de um refil para seu medicamento antiácido, omeprazol (Prilosec, Zegerid). Ele me disse que tomava aquilo há vários anos e que o fazia para controlar seus sintomas de refluxo ácido. Sabendo que estes medicamentos podem causar problemas a longo prazo, fiz algumas perguntas a ela:

“Por que você tem refluxo ácido?”

Ela respondeu “Sempre que tomo refrigerante, como cachorro-quente apimentado e batatas fritas, tenho sintomas de azia.”

“O que acontece se você não comer estes alimentos?” Perguntei.

“Não tenho refluxo de ácido”

“Só esclarecendo, você quer que eu dê a você um refil para seu medicamento, para continuar a comer junk food?”

“Hmm! Nunca pensei dessa forma. Vou mudar minha dieta e depois conto o que aconteceu,” ela me disse.

Após seis meses, ela estava ótima e não precisava mais do medicamento. Além disso, tinha perdido 10 libras (4,5 kg) do peso.

Infelizmente, esses medicamentos dão às pessoas “permissão” de ingerir alimentos que não deveriam comer.

A FDA originalmente aprovou estes medicamentos para tratar úlceras estomacais e sintomas de refluxo ácido ocasional. Porém, eles supostamente devem ser tomados por 4 a 8 semanas. Muitos os tomam por vários meses, anos, e possivelmente até décadas. Aqueles com mudanças pré-cancerosas no esôfago, uma condição chamada esôfago de Barrett, devem tomar o medicamento pelo tempo aconselhado pelo médico.

Duas Classes Principais de Antiácidos
Estes incluem:

Bloqueadores de histamina (H2) (menos fortes); Ranitidina (Zantac), Famotidina (Pepcid, Pepcid AC); e Cimetidina (Tagamet)

Inibidores da bomba de prótons, às vezes chamados IBPs (mais fortes); Omeprazol (Prilosec, Prilosec OTC, Zegerid); Esomeprazol (Nexium); e Pantoprazol (Protonix).

O ácido estomacal é produzido por um motivo. Ele ajuda a matar germes antes de entrarem em nosso trato intestinal, onde podem causar doenças e infecções. Adicionalmente, o ácido nos ajuda a absorver nutrientes. O ácido também ajuda o estômago a secretar uma substância chamada “fator intrínseco”. Isso permite que os intestinos absorvam vitamina B12 dos alimentos que consumimos.

Quando os medicamentos acima são tomados por períodos maiores do que o pretendido, podem resultar em deficiências nutricionais.

Nutrientes que podem se esgotar:
Magnésio
Cálcio
Ferro
Zinco
Vitamina D

Além disso, estes medicamentos podem levar ao supercrescimento de bactérias intestinais “ruins”, e menos bactérias saudáveis, uma vez que o equilíbrio no trato intestinal é alterado.

Suplementos recomendados:
Quelato de magnésio-125 mg a 500 mg
Cálcio 500 mg por dia (uma pessoa necessita de vitamina D para garantir a absorção de cálcio)
Zinco-10 mg a 25 mg (também presente em um multivitamínico de qualidade)
Vitamina D – 2.000 UI a 5.000 UI por dia
Suplemento probiótico-5 bilhões de unidades no mínimo

2. Medicamentos para diabetes
Uma droga diabética comum usada para controlar a glicose sanguínea é a metformina (Glucophage). Ao mesmo tempo que este medicamento faz um bom trabalho ao diminuir a glicose sanguínea, pode causar várias deficiências de nutrientes, incluindo deficiência de vitamina B12. Ironicamente, a deficiência de vitamina B12 está associada a dormência e formigamento na parte inferior das pernas, pés e dedos dos pés. Isso é algo que os médicos chamam de neuropatia periférica, ou neuropatia diabética em pessoas com diabetes.

Porém, é importante perceber que diabetes e leituras de glicose sanguínea elevada também podem causar sintomas de neuropatia.

Se você toma metformina, peça ao seu médico para medir seu nível de vitamina B12.

A maioria dos laboratórios relatam que os níveis de vitamina B12 entre 200 pg/ml e 1100 pg/ml estão na variação normal. Muitos médicos de medicina integrativa e neurologistas recomendam níveis sanguíneos de 500 pg/ml ou mais para otimizar a saúde nervosa e cerebral.

Nutrientes que podem se esgotar:
Vitamina B12
Vitamina B6
Co-enzima Q10
Suplementos recomendados:
Vitamina B12 (500 mcg a 1.000 mcg por dia )
Vitamina B6 (25 mg a 100 mg por dia)
Coenzima Q10 (50 mg no mínimo)

3. Medicamentos para colesterol
As vendas de drogas prescritas para diminuir o colesterol, como simvastatina (Zocor), atorvastatina (Lipitor) e lovastatina (Mevacor) são uma indústria bilionária. Mesmo se o colesterol por si só não causar ataques cardíacos ou derrames, ainda é um forte fator de risco. Cinquenta por cento das pessoas que têm ataques cardíacos têm colesterol normal. O uso de medicamentos para colesterol entre pessoas que têm doenças cardíacas pode prevenir a reocorrência de ataques cardíacos, de acordo com estudos.

Porém, o uso de drogas que diminuem o colesterol também pode fazer com que seu corpo produza menos coenzima Q10, um nutriente crítico para a mitocôndria celular (o gerador de energia da célula). Baixos níveis de coenzima Q10 podem levar a dores musculares comumente sentidas quando a pessoa toma esta classe de medicamentos. Frequentemente, suplementar com coenzima Q10 é suficiente para eliminar as dores, se suspender o medicamento para o colesterol não for uma boa opção. Alguns pacientes relatam que a suplementação com vitamina D também é útil. Muitos que não conseguem tolerar os efeitos colaterais de medicamentos com estatinas tomam Arroz de Levedura Vermelha, uma alternativa mais natural.

Nutrientes que podem se esgotar:
Co-enzima Q10
Possivelmente vitamina D (as pesquisas existentes ainda não concluíram)
Suplementos recomendados:
Coenzima Q10 (50 mg no mínimo por dia)
Vitamina D (2.000 UI a 5.000 UI por dia)

4. Medicamentos diuréticos para pressão arterial
Os diuréticos são uma classe de medicamentos para pressão arterial. Eles são usados frequentemente como terapia de primeira linha para o tratamento de pressão arterial elevada. Estes medicamentos fazem um excelente trabalho para a maioria das pessoas ao diminuírem os valores da pressão arterial. Eles incluem hidroclorotiazida, triamtereno-hidroclorotiazida (Dyazide, Maxzide), clortalidona e furosemida (Lasix). Infelizmente, o uso rotineiro pode resultar em baixos níveis de potássio no sangue, além de desidratação leve.

Nutrientes que podem se esgotar:
Cálcio (Ca)
Magnésio (Mg)
Potássio (K)
Vitamina C
Vitamina B1 (Tiamina)
Vitamina B6 (Piridoxina)
Zinco

Suplementos recomendados:
Cálcio 500 mg por dia (uma pessoa necessita de vitamina D para garantir a absorção de cálcio)
Quelato de magnésio-125 mg a 500 mg
Potássio (também presente em um multivitamínico de qualidade)
Vitamina C- 500 mg mínimos por dia
Complexo B como indicado no rótulo
Zinco-10 mg a 25 mg (também presente em um multivitamínico de qualidade)

Baixos níveis de potássio e magnésio podem causar câimbras musculares e, em alguns casos, batimentos cardíacos irregulares, que podem ou não causar sintomas. Se você estiver usando estes medicamentos para pressão sanguínea, o monitoramento sanguíneo de rotina dos eletrólitos, pelo menos uma vez no ano ou mais, é aconselhado e também a substituição adequada dos nutrientes.

Considere perguntar ao seu profissional de saúde se medicamentos alternativos para pressão sanguínea devem ser considerados. Alguns estudos mostram que a Coenzima Q10 e a suplementação com fruta de Hawthorne podem ajudar a diminuir a pressão sanguínea.

A baixa vitamina C pode resultar em hematomas precoces, enquanto níveis baixos de zinco podem enfraquecer o sistema imune, levando a erupções cutâneas, e resultar em diarreia crônica.

5. Pílulas Anticoncepcionais
As pílulas anticoncepcionais foram aprovadas pela primeira vez em 1960 como meio de prevenir a gravidez. Quando usadas adequadamente, são 99,7 por cento eficientes. No mundo todo, mais de 100 milhões de mulheres fazem uso delas. Estas pílulas podem diminuir as vitaminas B e o magnésio, então se forem prescritas a você, considere tomar uma vitamina pré-natal diária no mínimo. A maioria das mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais também precisam suplementar o magnésio se ocorrerem câimbras musculares, dores de cabeça, e palpitações cardíacas.

Nutrientes que podem se esgotar:
Cálcio
Magnésio
Vitamina C
Zinco
Ácido fólico
Vitamina B2
Vitamina B6
Vitamina B12
Vitamina D

Suplementos
Cálcio 500 mg por dia (uma pessoa necessita de vitamina D para garantir a absorção de cálcio)
Quelato de magnésio-125 mg a 500 mg por dia
Complexo B multivitamínico
Vitamina C- 500 mg mínimos por dia
Zinco-10 mg a 25 mg (também presente em um multivitamínico de qualidade)
Vitamina D – -2.000 UI a 5.000 UI por dia

Se tiver dúvidas sobre se seu medicamento está afetando seu estado nutricional, consulte seu médico. Lembre-se, estas informações não são ensinadas rotineiramente aos médicos na faculdade de medicina. Recomendo que você mostre este artigo ao seu médico, caso ele esteja em dúvida. A maioria dos exames de sangue nutricionais básicos são cobertos por planos de saúde.

Referências:

Supplement Your Prescription Copyright 2007 by Hyla Class, MD
Drug Muggers by Suzy Cohen, RPh. Copyright 2011, Rodale Publishing.
FDA warns PPIs lower Magnesium – https://www.fda.gov/Drugs/DrugSafety/ucm245011.htm
Statin Use and 25-Hydroxyvitamin D Blood Level Response to Vitamin D Treatment of Older Adults. J Am Geriatr Soc. 2017 Jun;65(6):1267-1273. doi: 10.1111/jgs.14784. Epub 2017 Feb 27.

Este artigo foi escrito por Eric Madrid MD, ABIHM, que é certificado pelo American Board of Family Medicine e pelo American Board of Integrative Holistic Medicine. Ele é autor de Vitamin D Prescription, the Healing Power of the Sun. O Dr. Madrid formou-se na Escola de Medicina da Universidade de Ohio. Ele é sócio do Rancho Family Medical Group e tem consultório em Menifee, Califórnia.

Veja Também

IASD

Como e Quando Começou o Domínio dos Jesuítas na Igreja Adventista ? (Vídeo)

“Uma entrevista com June Rick que expõe como os Jesuítas de Roma tem infiltrado a ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>